Restrição de fornecedor para tecnologia 5G impacta crescimento econômico do país, de acordo com a Oxford Economics

O relatório ressalta os gastos potenciais em relação a preço, tempo e produtividade nos oito principais mercados globais de 5G

2020.02.20

São Paulo, 7 de fevereiro de 2020 – Restringir a participação de um fornecedor-chave de infraestrutura na construção da rede 5G de um país aumentaria de 8% a 29% os custos totais do investimento que seria feito na próxima década, além de impactar em atrasos na implantação da tecnologia. É o que afirma um estudo da Oxford Economics, empresa líder em previsão global e análises quantitativas, e encomendado pela Huawei. Segundo o relatório, isso também resultaria em milhões de pessoas sem cobertura 5G até 2023.

O 5G tem o potencial de reduzir custos e desbloquear novos fluxos de renda em todos os setores da indústria, melhorando os níveis de produtividade em toda economia global e gerando oportunidades para países que facilitam sua oferta generalizada. Portanto, restringir um participante da licitação de contratos levará a preços mais altos e atrasos na distribuição, resultando em uma difusão mais lenta da inovação tecnológica associada.

O relatório global da Oxford Economics é a primeira quantificação sistemática da escala potencial desses efeitos e avalia o custo econômico da restrição da concorrência em oito mercados: Austrália, Canadá, França, Alemanha, Índia, Japão, Reino Unido e Estados Unidos, considerando três cenários de desenvolvimento e aplicação do 5G.

Um atraso na implantação do 5G também resultaria em inovação tecnológica mais lenta e menor crescimento econômico. Em um cenário de médio impacto, isso resultaria em reduções do PIB nacional até 2035 que variam de US$ 2,8 bilhões na Austrália a US$ 21,9 bilhões nos EUA. Nos oito países analisados, o estudo indica que o PIB per capita seria US$ 100 menor por pessoa, em média, até 2035, em comparação com um cenário em que não há essa restrição na provisão de infraestrutura 5G.

O aumento dos custos de investimento e os atrasos na implantação foram traduzidos para um menor crescimento da produtividade usando estimativas dos benefícios de produtividade do 5G de vários estudos acadêmicos e da indústria. Eles foram, então, inseridos no Modelo Econômico Global da Oxford Economics para estimar o impacto em uma série de indicadores macroeconômicos, como PIB e gastos dos consumidores domésticos, conforme exemplificado na tabela abaixo:

Fig. 1. Impactos econômicos da restrição de um participante do tamanho da Huawei de competir no mercado de infraestrutura 5G

Mercado

Impacto no preço

(% de aumento nos custos de investimento)

Redução do número de pessoas com acesso ao 5G até 2023

(milhões)

Redução do PIB em 2035

(US$ bilhões, preços de 2019)

Austrália

8% a 27%

0.0 a 3.1

0.8 a 8.2

Canadá

8% a 24%

2.2 a 5.7

1.0 a 6.7

França

9% a 29%

2.1 a 5.7

2.6 a 15.6

Alemanha

9% a 29%

3.8 a 10.0

2.4 a 13.8

Japão

9% a 27%

7.2 a 19.1

5.3 a 34.3

Índia

8% a 27%

15.9 a 45.3

4.7 a 27.8

Reino Unido

9% a 29%

3.9 a 10.4

1.8 a 11.8

Estados Unidos

8% a 24%

0.0 a 27.1

8.6 a 63.0

Nota: Na Austrália e nos EUA, a implantação do 5G deve cobrir a maioria da população nos próximos 2-3 anos, com quase nenhum aumento na cobertura nos anos seguintes. Em nosso cenário de baixo impacto, o aumento nos valores de investimento leva a atrasos de alguns meses na implantação, apesar do qual a maioria da população recebe acesso até 2023. Fonte: Oxford Economics

Os TRÊS CENÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO 5G

Para capturar a incerteza em torno dos benefícios futuros do 5G e as diferentes respostas do mercado às restrições da concorrência, foram utilizados três cenários como modelos, resumidos na tabela abaixo:

Fig. 2. Relação do impacto no mercado de acordo com o nível de desenvolvimento e aplicação do 5G e os custos de investimento

Fonte de incerteza

BAIXO impacto em custos

MÉDIO impacto em custos

ALTO impacto em

custos

Potenciais benefícios do 5G para o futuro

O 5G, caracterizado como Banda Larga Móvel Aprimorada (eMBB), fornece velocidades de banda larga mais altas e suporta serviços de alta largura de banda, como aplicativos de Realidade Aumentada (AR) e Realidade Virtual (VR).

O 5G permite comunicações massivas do tipo máquina (mMTC): ou seja, a conexão de um número muito grande de dispositivos conectados (um milhão por km2), suportando dispositivos de baixa potência e baixa energia, o que permite implantações de IoT em larga escala entre setores.

O 5G é revolucionário, fornecendo comunicações ultra confiáveis ​​e de baixa latência (URLLC), que permite aplicativos altamente dependentes de baixa latência e alta confiabilidade e suporta aplicativos críticos em transporte, saúde e energia.

Reação do mercado às restrições da concorrência

Assumimos que o escopo de outros fornecedores de infraestrutura 5G exercerem seu poder de mercado e aumentarem os preços é limitado.

Outros fornecedores são capazes de aumentar seus preços em certa medida, mas não são totalmente capazes de exercer seu poder de mercado.

Dado o impacto revolucionário do 5G, os fornecedores de infraestrutura podem exercer plenamente seu poder de mercado e aumentar os preços ao máximo.

O estudo na íntegra pode ser acessado pelo site: https://resources.oxfordeconomics.com/hubfs/Huawei_5G_2019_report_V10.pdf

Sobre a Huawei

A Huawei é líder global em soluções de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e uma das 100 marcas mais valiosas do mundo de acordo com a Forbes. A companhia tem a visão de enriquecer a vida das pessoas por meio da comunicação e é dedicada à inovação centrada no cliente. Com sólidas parcerias com a indústria local, a Huawei está comprometida com a criação de valor para operadoras de telecomunicações, empresas e consumidores, oferecendo produtos e soluções de alta qualidade e inovação em mais de 170 países e territórios. Com mais de 190 mil funcionários em todo o mundo, a empresa atende mais de um terço da população mundial. Há mais de 20 anos no Brasil, a Huawei é líder no mercado nacional de banda larga fixa e móvel por meio das parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telecomunicações e possui escritórios nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Curitiba e Recife, além de um centro de distribuição em Sorocaba (SP) e um Centro de Treinamento em São Paulo.

Para mais informações, visite a Huawei online em www.huawei.com ou siga-nos:

Facebook 
Twitter 
Instagram
LinkedIN 
YouTube